21/06/2021

Por

AnaAna

Estou voando para casa após três dias de férias, um final de semana longo em Lisboa. A primeira viagem de avião depois de um ano em confinamento. Sei que a pandemia ainda segue e que o caminho da vacinação é longo, mas para mim esta viagem foi um marco: a ultima vez que voei, antes do mundo fechar, foi de Lisboa para Amsterdam. Então qual melhor para recomeçar este ciclo pós-apocalipse do que a velha e querida Lisboa? 

Mas meu motivo para visitar a terrinha é maior do que celebrar o relaxamento das medidas contra a Covid-19: minha irmã caçula mora em Lisboa e quando eu posso eu a visito. Foi assim no ano passado e agora este ano. Então quando as fronteiras abriram e quarentena foi abolida em Portugal (para residentes da Holanda), não tive duvida: comprei a passagem e marquei meu PCR.

Aliás, para quem estiver planejando voar por esses lados, leia-se Europa, consulte o site do governo holandês wijsopreis.nl as regras mudam e a melhor forma de consultar a informação correta e da fonte. 

Olá, Lisboa!
Olá, Lisboa!

Viajando sozinha 

Vim para Lisboa sozinha e toda vez que viajo sem marido e filhos recebo algumas perguntas de como me organizo. Se você esta chegando aqui agora, bem, eu sempre viajei sozinha e com amigas desde que as crianças eram (bem) pequenas. Assim como meu marido sempre viajou a trabalho e por prazer com amigos. Faz parte do nosso relacionamento e aliás, eu recomendo.

Sério, se eu puder te dar um conselho de amiga (que você aliás, nem me pediu) é esse: saia sozinha, viaje sozinha. Independência faz bem pra caramba em um relacionamento. 

Nesses dias eu me reencontro, descanso, durmo, leio, passeio, bebo e como sem ter que pensar em ninguém. Ferias da egoísta perfeita? Pelo contrário. Eu saí com minha irmã, meu cunhado e seus amigos e foi uma delicia. Até criança no grupo tinha. Mas é libertador não ter que pensar se eu tirei o pão do congelador a tempo para o lanche da escola e se o jogo de futebol/ hockey começa as 9 ou 9:30 do sábado. Heerlijk! Uma delicia mesmo por uns dias. 

Fora que quando você sai de casa o pessoal que a habita sente sua falta e te valoriza. E você volta com saudade dos abraços, beijinhos e lancheiras. É uma situação boa para todos, acredite. 

Final de semana em Lisboa

Mas o que fazer em três dias em Lisboa? Difícil te dizer. Na verdade a resposta é simples: faça o que te dá vontade! Mas eu já visitei a cidade mais de uma vez, já passei por todos os pontos turísticos, então quando vou quero apenas passear com minha irmã e comer bem. Não tenho muitas exigências. 

Mas se você me perguntar o que fiz de bom, esses foram os pontos altos deste final de semana:

31 da Armada

Cheguei na quinta a noite e saímos direto para jantar. Um restaurante aconchegante com bom serviço e uma praça. Quer coisa mais gostosa que comer bem em uma mesa ao ar livre? Eu desconheço. Sem contar que o jacarandás estavam floridos dando a pracinha um ar bucólico. 

restaurante Lisboa
Sister pom.pillow em ação

Javá

Um restaurante lindo no topo de um edifício. Um dos novos hotspots de Lisboa. Eles tem mesinhas fora e dentro com uma vista deslumbrante da cidade. O restaurante é oval, quase pontudo, o que te da uma vista bem interessante (de quase 180 graus) de Lisboa. Vá também pela comida que é deliciosa. Comi um polvo com polenta de lamber o prato. 

Novo hotspot em Lisboa
Ambiente lindo, vista maravilhosa e comida deliciosa. Posso voltar?

Pastel de Belém

Sei que e um dos lugares mais turísticos da cidade mas pasmem: eu nunca havia estado. Já comi os pastéis algumas tantas vezes mas nunca tinha coragem de entrar na fila, não achava que a espera era válida. Pois bem, desta vez não havia fila! Nos sentamos dentro do restaurante para um delicioso café da manhã. Além dos pastéis há outros doces e salgados. A tosta de queijo e fiambre (presunto) e deliciosa. Um mixto quente caprichadíssimo com pão do Alentejo. 

Café da manhã no Pastel de Belém

Time Out Market Lisboa

Eu amo mercado então sou suspeita, ainda mais quando há muita comida boa envolvida. Como o mercado reabriu após o confinamento em Portugal fomos visita-lo e aproveitamos para tomar um café. Tomamos também ginjinha, um licor de cereja servido em um copinho de chocolate. 

Igreja de Santo Antonio 

Deixa eu te contar uma coisa curiosa, quando a Holanda reabriu o comercio durante o lockdown, nós fomos com a família dar um passeio pelo centro e acabamos na Kalvestraat, uma famosa rua de lojas em Amsterdam. Entre uma vitrine e outra encontrei uma igreja. Ela é bem discreta e não se sobressai no meio de tantas lojas. 

Não sou religiosa mas fé eu sempre tive. Dentro da igreja há uma estatua linda de Santo Antonio e apesar de estar bem casada, sei que ele também e o santo protetor das crianças. Fiquei lá uns bons minutos conversando com o santo em pensamento sobre o quanto estava exausta, o quanto esse ano pandêmico havia me consumido (quem não) e o quanto naquele momento estava difícil de enxergar a luz no fim do túnel. A saudade da família e do Brasil estava me consumindo. 

Sai da igreja tranquila, rezar tem um efeito muito calmante, e na rua tive a idéia de me permitir viajar quando desse. Disse para o meu marido na calcada ainda que quando pudesse iria a Portugal ver minha irmã, como se naquela manha tivesse combinado a viagem com o santo.

Semanas se passaram, esqueci da igreja e do santo, comprei a passagem e quando estávamos combinando o final de semana minha irmã disse “você vem no final de semana das festas, domingo é dia de Santo Antonio”. Pois é, só podia ser mesmo. Então não pude deixar de visitar o Santo Antonio na sua igreja em Lisboa. Obrigada santinho. E detalhe, minha irmã é devota do santo, mas esta e outra historia… 

Nicolau Lisboa Café

A idéia era caminhar sentido Chiado mas o calor estava intenso e nós estávamos cansadas de andar, então resolvemos sentar em uma das mesinhas na esplanada (calçada) do Nicolau para dar um tempo. Mal nos sentamos e minha irmã encontrou com um amigo lisboeta que coincidentemente passava pela rua, ele se juntou a nós e lá ficamos os três a bebericar e a papear. O taco com atum fresco estava delicioso, a cerveja poderia estar mais gelada. 

Caminhar pelo Tejo

Minha irmã mora próximo ao rio Tejo, cerca do monumento do Descobrimento. Caminhamos bastante a beira do rio aproveitando o sol e brisa fresca. Que delicia que e caminhar por ali e ver os barcos a vela navegando, uma paz. 

corrida ao longo do Tejo

MAAT

Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia: que lugar lindo! Construção belíssima e imponente na beira do rio Tejo. Depois da caminhada foi lá que tomamos um belo brunch com uma vista lindíssima. Poderia passar umas belas horas por ali apreciando a passagem. 

vista do MAAT, Lisboa

Praia do Ribeiro do Cavalo

Cerca de Lisboa há muitas praias e aproveitando o tempo lindíssimo e calor, decidimos tirar um dia de “férias” da cidade. Fomos com amigos (praticamente uma excursão) para Sesimbra, a uns 40 quilômetros de Lisboa. De lá pegamos uma embarcação que nos levou até Ribeiro do Cavalo, uma praia lindíssima e de difícil acesso. Se chega por barco ou trilha – aliás dizem que a trilha é linda porque se vê a praia de cima, das falésias. Optamos por barquinho que por 12 euros por pessoa nos levou e buscou com hora marcada. 

A praia é paradisíaca mesmo, água cristalina e muito gelada. Nadei com fé e dor no pé, a praia tem muitas pedrinhas então leve um chinelo ou calçado especial para se banhar. Não há quiosque, restaurante ou vendedores. Prepare um bom picnic, leve guarda-sol e aproveite o dia. 

Esperando a embarcação em Sesimbra
Pronta para o embarque
Ribeiro do Cavalo, Portugal

Locomoção em Lisboa

Eu acho muito fácil me locomover por Lisboa e não só porque tenho minha irmã-guia-turistica mas porque falo português e a cidade é pequena. Taxi não custa muito, uso bastante os aplicativos Uber e Bolt. Até para Sesimbra e Costa da Caparica fomos de Uber e não custou tanto, sai mais barato que alugar carro. Também andei de elétrico e ônibus. Adoraria pedalar, na cidade ha centenas de patinetes motorizados mas acho que nem todas as calcadas são boas para os patinetes, então não me arrisco. Também caminhei muito – precisava queimar os pastéis de nata haha – e logo de cara minha sandália me deixou com bolhas, mas nada que havaianas e tênis não resolveram. 

Clima em Lisboa

Fui em junho e o clima estava espetacular. Fresquinho de noite e quente de dia. Usei roupas leves e um casaquinho de noite para o vento. Achei esta época bem agradável, dá para curtir a cidade sem morrer de calor mas também se pode ir a praia ou piscina como num belo dia de verão. 

Portugueses simpáticos

Achei os portugueses desta vez extremamente bem humorados, não sei se porque eu estava leve e feliz – good vibe atrai good vibe – mas só encontrei com pessoas simpáticas. Acredito em carma do bem e até o cara do Raio-X do aeroporto fez piadas. 

Talvez seja o verão, o fato da cidade estar reabrindo aos poucos e a vida voltando o que era a ser. Não sei ao certo mas esses dias em Lisboa foram deliciosos, eu precisava de abraço de irmã, de boas risadas, de não ter compromissos. Precisava me desconectar da rotina de casa e me reconectar comigo. 

Estou voltando para casa leve, feliz e com saudades. Espero poder retornar em breve a Lisboa, talvez com a família. Talvez sem.